Ensaio Geral - FCMS lança projeto de educação patrimonial Identidade das Comunidades Quilombolas
Reportagem | Jeozadaque | 05/05/2011 08h58

FCMS lança projeto de educação patrimonial Identidade das Comunidades Quilombolas

Compartilhe:

A Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, através da Gerência de Patrimônio Histórico e Cultural, realiza no dia 10 de maio (terça-feira), às 14 horas, no Auditório do MUARQ - Museu de Arqueologia da UFMS, o lançamento do Projeto de Educação Patrimonial “Educar para Proteger – Identidade das Comunidades Quilombolas”. A palestra de lançamento do projeto será ministrada pela geógrafa e mestranda em Desenvolvimento Local, professora Eva Maria Martins Terra. Pesquisadora do tema identidade quilombola, Eva Terra desenvolve atualmente a dissertação “Territorialidade da Comunidade Chácara do Buriti e Potencialidades do Desenvolvimento Local”, sob a orientação da Profª. Dra. Arlinda Cantero Dorsa. O Projeto de Educação Patrimonial “Educar para Proteger – Identidade das Comunidades Quilombolas” é desenvolvido pela Fundação de Cultura em parceria com as comunidades quilombolas São Benedito, São João Batista e Chácara Buriti, todas localizadas no município de Campo Grande. O trabalho de Educação Patrimonial é imprescindível para a adequada proteção do patrimônio cultural das pequenas comunidades. É um processo de conscientização, através de projetos escolares de preservação dos marcos e manifestações culturais, da definição de conceitos, do esclarecimento de dúvidas, da divulgação e da apresentação dos resultados dos trabalhos e o mais importante, dividindo responsabilidades. “Um projeto de educação patrimonial, que vise reforçar a identidade de alunos oriundos das comunidades remanescentes de quilombos, oportuniza a construção/reconstrução da história local, aliando o passado às perspectivas positivas no presente”, analisa o presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, Américo Calheiros. A proposta da Gerência de Patrimônio da Fundação de Cultura com o projeto é motivar as novas gerações a ver a identidade negra como motivo de auto afirmação, auto-valoração e de orgulho pela contribuição que seu grupo social tem na construção da sociedade brasileira, e, principalmente como instrumento para a reivindicação de direitos historicamente negados. Serviço: Outras informações através da Gerência de Patrimônio Histórico e Cultural, pelos telefones 3316-9155 ou 3316-91-65. Da Redação

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS