Geral | Da redação | 22/11/2018 09h48

Ceinf Tia Eva resgata histórias da comunidade e valoriza cultura afro

Compartilhe:

A herança africana na cultura brasileira foi o tema dos trabalhos apresentados na tarde desta quarta-feira (21) pelos alunos do Ceinf Tia Eva, localizado na comunidade quilombola que leva o mesmo nome da unidade.

O evento foi alusivo às comemorações que marcam a Semana da Consciência Negra. Da creche a pré-escola, as crianças apresentaram atividades artísticas e culturais e exposições de trabalhos e desenhos que remeteram à cultura afro-brasileira, além de degustarem pratos típicos do povo africano.

O superintendente das Políticas Educacionais da Rede Municipal de Ensino (Reme), Waldir Leonel, explicou que o resgate cultural é um trabalho importante dentro das unidades e que acontece ao longo do ano.

“Essa ação de trabalhar em apenas um dia é só um processo, de culminância de algo desenvolvido durante o ano. Levantou todo aspecto cultural de toda uma comunidade.

De acordo com a diretora da unidade, Cleidevana Chagas, a proposta foi sensibilizar as crianças quanto ao respeito e apreciação da diversidade por meio da cultura afro-brasileira, trabalhar a identidade e musicalidade, a arte e a culinária de forma lúdica.

As ações ainda contaram com apresentação de roda de capoeira e até com exposição de plantas de origem africana.

“Decidimos começar valorizando a cultura local e o legado deixado pela Tia Eva. Como estamos inseridos em uma comunidade quilombola, também temos o trabalho de resgatar essa cultura, incentivando respeito racial desde cedo entre as crianças”, disse a diretora.

Para desenvolver o projeto, a equipe do Ceinf convidou os líderes comunitários Sergio Antônio da Silva e Neuza Jerônima Rosa dos Santos para conversar com os alunos sobre a história da comunidade onde está inserido o Ceinf, que é uma homenagem a matriarca e ex-escrava alforriada, Eva Maria de Jesus, que ao longo de sua trajetória na região, sempre trabalhou em prol da comunidade local.

No primeiro semestre também foi trabalhada a influência da musicalidade e da culinária africana e já no segundo semestre, os alunos receberam a visita do artista plástico Pablo Oliveira que fez parte da comunidade e falou sobre sua trajetória de vida e expôs suas obras, que são produzidas em um espaço cultural próximo a unidade escolar.

As ações foram trabalhadas em conformidade com a Lei Federal 10639 de 09/01/2003, que tornou obrigatório o ensino da História e Cultura Afro-Brasileira nas escolas.

“É essencial que essa temática seja trabalhada desde a Educação Infantil. Esse projeto impulsionou mudanças significativas no cenário escolar, articulando o respeito e o reconhecimento a diversidade étnica racial com a qualidade social da educação”, pontuou a diretora.

Para o presidente da Associação dos Descendentes da Tia Eva, Eurídes Antônio da Silva, a realização do evento valoriza os alunos e resgata a origem da comunidade.

“É um ato social e cultural importante porque mostra para as crianças o orgulho que temos de nossa matriarca”, enfatizou.

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS